Pesquisa personalizada

4 de out de 2009

Morreu Mercedes Sosa, símbolo da cultura popular argentina

Ela tinha 74 anos e há 13 dias estava internada em terapia intensiva tratando de uma doença hepática grave. Nos últimos dias foi cercada de familiares, amigos e músicos que a acompanharam até a morte. Seus restos serão velados a partir do meio-dia no Congresso argentino.
.
"Sua voz levava mensagens de compromisso social através da música da raiz folclórica, sem prejuízos de somar outras vertentes e expressões de qualidade musical. Seu talento indiscutível, sua honestidade e suas profundas convicções deixam uma enorme herança para as gerações futuras", diz a sua família no comunicado publicado no site oficial da cantora que ia do tango ao rock sem perder a doçura de voz inigualável.
.
Mercedes Sosa nasceu em Tucamán, Argentina, em 9 de julho de 1935. Era uma cantora de grande apelo popular na América Latina e conhecida como La Negra pela cor das longas e lisas madeixas.
.
Ganhou destaque muito nova, com quinze anos de idade, após se apresentar em uma competição de uma rádio da sua cidade natal conseguiu seu primeiro contrato por dois meses, os primeiros meses de uma carreira de seis décadas. O timbre marcante levou Mercedes a gravar o primeiro disco Canciones con Fundamento, em 1965, com um perfil de folk argentino. Mas foi em 1967 que se consagrou internacionalmente após gravar o sucesso Cantata Sudamericana e Mujeres Argentinas, com Ariel Ramirez e Feliz Luna. A música foi em homenagem à chinela Violeta Parra, cantora folclorista chilena que suicidara-se no Chile em fevereiro de 1967, após tentar em vão criar um centro de referência para a cultura folclórica do Chile.
.
De personalidade marcante, Sosa era conhecida também como uma ativista política de esquerda, sendo peronista na juventude. Se posicionou contra à figura de Carlos Menem e apoiou a eleição do ex-presidente Néstor Kirchner.
.
Mercedes gravou com cantores de várias nacionalidade, no Brasil fez dueto com Milton Nascimento, Fagner, Sílvio Rodríguez e Beth Carvalho entre outros.
.
A música perde mais que uma voz prodigiosa, perde uma pessoa que tinha qualidades como a honestidade intelectual e o compromisso artístico. Perde um símbolo da luta pela liberdade!

GRACIAS A LA VIDA

Nenhum comentário: