Pesquisa personalizada

27 de fev de 2010

Dissidentes cubanos fazem greve de fome em Cuba

Alguma horas após o funeral de Orlando Zapata Tamayo, outros 4 presos do grupo de 75 entraram em greve de fome em duas prisões em Pinar del Río. O objetivo é protestar contra a morte de Zapata e exigir a libertação de todos os prisioneiros políticos, foi a declaração de Elizardo Sánchez, da Comissão de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CDHRN).

Enquanto isso, em Santa Clara  o jornalista independente, Guillermo Fariñas, começou em sua casa, outra greve de fome, incluindo a recusa de beber água, com a disposição de "sacrificar". Fariñas há três anos, ficou vários meses sem comer alimentos sólidos para exigir acesso gratuito à Internet em Cuba.

Um comunicado divulgado ontem pela Comissão de Direitos Humanos indica que em 24 de fevereiro os prisioneiros Diosdado González Marrero, 47anos, e Eduardo Díaz Fleitas, 59, entraram em greve de fome na prisão, em Pinar del Río. Um dia depois, os opositores de Fidel Suárez Cruz, 39, e Molinet Nelson, 45, tomaram a mesma medida na prisão Kilo Cinco y Medio Kilo. Os quatro foram condenados em julgamentos realizados em 2003 contra 75 dissidentes acusados de "conspirar" com os Estados Unidos contra o regime. Eles estão condenado com penas entre 20 e 25 anos.

Sanchez disse que a motivação  para as greves de fome foi a morte de Zapata Tamayo, os grevistas exigem a libertação de todos os presos políticos, estima-se que há mais de 200 em toda a ilha, dos quais 65 são de consciência, conforme declarou a Anistia Internacional.

Nenhum comentário: