Pesquisa personalizada

26 de set de 2011

Bancários entram em greve por um reajuste de 12,8%

Os bancários decidiram entrar em greve por tempo indeterminado a partir das 0h de terça-feira (27). A categoria rejeitou a proposta de 8% de reajuste salarial feita pelos bancos. A decisão foi tomada em assembleias pelo país na noite desta segunda-feira. A paralisação atingirá bancos públicos e privados.

A paralisação foi aprovada nas reuniões feitas pelos Sindicatos dos Bancários de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Porto Alegre, Curitiba, Campo Grande, Mato Grosso, Paraíba, Alagoas, Ceará, Piauí, Espírito Santo, Campinas, Piracicaba, Juiz de Fora, Dourados e Vitória da Conquista, entre outros, conforme levantamento feito até as 20h30 da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), que coordena o Comando Nacional dos Bancários.

Além dos 12,8% os bancários reivindicam também "fim da rotatividade, mais contratações, fim das metas abusivas, combate ao assédio moral, mais segurança, igualdade de oportunidades e inclusão bancária sem precarização, dentre outras reivindicações".

BANCOS

Mais cedo, a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) informou que a proposta de reajuste de 8% "contempla pelo oitavo ano consecutivo correção de salário com aumento real e reforça o caráter abrangente da convenção coletiva do trabalho da categoria dos bancários".

Segundo a federação, a convenção dos trabalhadores "inclui pisos salariais elevados para uma jornada reduzida, muitos e significativos benefícios, além de ser a única categoria com PLR garantida por convenção".

Antes da decisão dos bancários, a Fenaban tinha dito que a greve seria "fora de propósito". "Desde o início, a Fenaban se manteve aberta ao diálogo e apresentou duas propostas econômicas em apenas uma semana", informou em nota.

ORIENTAÇÃO

A federação orientou os bancos a buscarem todos os meios legais para garantir o atendimento da população, "uma vez que este é o seu papel na sociedade".

Aos clientes, a recomendação é para que seja feita a utilização de canais alternativos, como internet, telefone, terminais de autoatendimento e correspondentes bancários.

Nenhum comentário: